morbidavel
Eu matei a Gisberta. Você também a matou. Você se lembra da Gisberta? Não?! Calma, eu te faço lembrar. A Gisberta era uma mulher alta, de pele clara, com longos cabelos negros e olhos castanhos (…) uma mulher dócil, muito cuidada e que exaltava feminilidade. Gisberta era um sonho, um desejo, uma essência (…) e queria ser feliz, como qualquer outra pessoa. O que muitos não sabem é que Gisberta era um transexual que vivia de fazer shows em bares, à noite, e que, infelizmente, hoje está morta. Tiraram a vida da Gisberta aos poucos. Socaram o seu rosto até sangrar e ficar deformado. A espancaram até a morte: com paus, pedras, socos e xingamentos (…) sim, com xingamentos, porque xingar também fere. Quem matou a Gisberta? Eu. Eu matei a Gisberta. E você também a matou. Matou, quando zombou do seu coleguinha da quarta série por ser diferente. Matou, quando olhou torto para um homossexual que passava ao seu lado. Matou, quando se espantou ao ver duas mulheres de mãos dadas. Matou, quando foi contra ao casamento gay. Matou, quando disse que era pecado duas pessoas do mesmo sexo se relacionarem. Matou, quando foi contra a adoção de crianças por casais do mesmo sexo. Matou, quando propôs que fossem criados banheiros e locais reservados para homossexuais. Matou, quando xingou de “sapatão” ou “viado” uma pessoa diferente de você. Matou, quando não aceitou a orientação sexual do seu filho. Matou, quando expulsou de casa esse tal filho. Matou, quando desrespeitou um travesti na rua. Matou, quando feriu os direitos humanos. Matou, quando foi homofóbico. Matou, quando foi preconceituoso. Nós matamos a Gisberta e sei que muitas outras Gisbertas ainda serão mortas; porque nós somos assassinos em série. Nós matamos milhares de Gisbertas todos os dias com o nosso preconceito.
Marcelino Gomes, sobre Gilberto Salce Júnior, mais conhecido como Gisberta, um transexual que foi brutalmente assassinado em Portugal, em 22 de Fevereiro de 2006, vítima de um dos mais terríveis males da humanidade: o preconceito. 
(via morbidavel)
o-que-resta-da-vida
Você se cansa de amores incompletos, de amores platônicos, de falta de amor, de excesso disso e daquilo. Se cansa do “apesar de”. Se cansa do rabo entre as pernas, da sensação de estar sendo prejudicado, se cansa do “a vida é assim mesmo”. Você se cansa de esperar, de rezar, de aguardar, de ter esperanças, cansa do frio na barriga, cansa da falta de sono. Você se cansa da hipocrisia, da falsidade, da ameaça constante, se cansa da estupidez, da apatia, da angústia, da insatisfação, da injustiça, do frenezi, da busca impossível e infinita de algo que não sabe o que é. Se cansa da sensação de não poder parar.
PC Siqueira. (via alentador)
distanciarei
Sempre é preciso saber quando uma etapa chega ao final. Se insistirmos em permanecer nela mais do que o tempo necessário, perdemos a alegria e o sentido das outras etapas que precisamos viver. Encerrando ciclos, fechando portas, terminando capítulos. Não importa o nome que damos, o que importa é deixar no passado os momentos que já se acabaram. As coisas passam, e o melhor que fazemos é deixar que elas possam ir embora. Deixar ir embora. Soltar. Desprender-se. Ninguém está jogando nesta vida com cartas marcadas, portanto às vezes ganhamos, e às vezes perdemos. Antes de começar um capítulo novo, é preciso terminar o antigo: diga a si mesmo que o que passou, jamais voltará. Lembre-se de que houve uma época em que podia viver sem aquilo - nada é insubstituível, um hábito não é uma necessidade. Encerrando ciclos. Não por causa do orgulho, por incapacidade, ou por soberba, mas porque simplesmente aquilo já não se encaixa mais na sua vida. Feche a porta, mude o disco, limpe a casa, sacuda a poeira.
Fernando Pessoa.  (via distanciarei)
morbidavel
Algumas pessoas não sabem o que dizem. O Beija flor não é um pássaro comum. Sua frequência cardíaca é de 120 batidas por minuto. Suas asas batem 80 vezes por segundo. Se você segurasse um beija flor e impedisse ele de bater as suas asas ele morreria em menos de 10 segundos. Ele definitivamente não é um pássaro qualquer! E isso é um verdadeiro milagre! Uma vez observaram através de uma câmera lenta o bater das asas de um beija flor, sabe o que eles viram? As extremidades das asas se movem fazendo o numero 8 no ar; Sabe do que o número 8 é simbolo matemático? Infinito!
O Curioso Caso de Benjamin Button.  (via morbidavel)
morbidavel
Me diga que está triste, eu consolo. Me diga que nunca foi tão feliz, eu concordo. Me ame ou me odeie. Me mande pra puta-que-o-pariu ou me convide para ir com você. Exploda na minha cara ou se derreta na minha mão. Deixa eu te ver morrendo de tanto rir ou com vergonha das olheiras de tanto chorar. Só não me esconda o rosto. Me abrace, me esmurre, me lamba ou me empurre. Só não me balance os ombros. Não me perturba assistir a tua dor nem acompanhar teu gás. Te ver mais ou menos realmente me incomoda. Mais ou menos não rende papo, não faz inverno nem verão, não exige uma longa explicação. É melhor estar alegre ou estar triste, mais ou menos é a pior coisa que existe.
Gabito Nunes  (via morbidavel)
morbidavel
No primeiro dia, você jogou o peso que te impedia de voar pra cima de mim. Depois de trinta minutos, você pressionou meu corpo contra o teu e, com hálito quente ferveu meu sangue. Em menos de uma semana tínhamos ido pra cama, pro jardim, pra rua e jogado o que continha sobre a mesa do escritório. Em três meses você terminou umas cinquenta duas vezes o namoro. Você abordou meu amor, atenção e ingenuidade, no sexto mês. No oitavo, sua mãe faz um B.O. com meu nome. No nono, você admite que transa comigo todas as noites. E depois de um ano juntos e separados, eu continuo perdidamente apaixonado por sua neurose. Seus gastos absurdos, fala incompreensível e entorse de sabedoria, me alucinam. Bebo você, você me bate e nossos amigos separam nossa briga. Você não pensa em traição, eu não penso em sexo com mais ninguém. Você quer casar, eu quero digo que só apartamento. Daí você me xinga e eu te acalmo. Não sei se temos o bastante para construir um castelo de concreto ou de areia, também não estou a fim de descobrir. Eu só penso no agora, agora dói e é gostoso, não sou um puto de sadomasoquista não. Eu acho que já passou de um amor semanal. Por que você pousa suas mãos gélidas sob meu membro nu e me encara com olhar pedinte, mendigando proteção. Podia te envolver em meus braços, como resposta, mas não o faço. No dia seguinte acordo com o barulho do chuveiro e me junto a ti, você tenta me expulsar, mas eu te agarro e te penetro, te fazendo esquecer que não era bem vindo naquele ontem. Como não sou hoje, pois você precisa de mim bem mais do que aparente e declara. Eu sei que se eu saísse pela porta da frente, você a trancaria na hora e, abriria as janelas e a porta dos fundos, até jogaria a chave para rua torcendo pra minha volta. Fui o único inquilino que te fez bem, embora despejado e com aluguel em dia, você sufoca esse sentimento. E o meu maior medo é que tua mãe proíba e, você aceite.
Sam Nascimento, La vida passe e Isabeli, Sapatear. (via morbidavel)
morbidavel
Acho que te devo um pedido de desculpas. É que nem eu mesmo gosto muito de mim, e fico meio assustado quando alguém me diz que consegue isso. É que você parecia minha amiga, só minha amiga. Você fala como uma amiga. Me cumprimenta como amiga. Me telefona e me convida para cinemas como uma amiga. Seu riso é de amiga. O seu abraço é de amiga. Nada além de amiga, entende? Amiga? Sei que andei falando coisas sem pensar. Me esforcei pra deixar quieto, ficar de boca calada, não fazer merda. Quase deu certo. Você sabe, sou meio blá. Olha, sei que andei falhando todas essas vezes, nos últimos meses. Em minha defesa, não era bem eu. Só estava tentando ser uma outra coisa, sei lá, algo que pudesse merecer você. Como eu poderia adivinhar que alguém como você gostaria de mim, assim desse jeito atrapalhado que eu sou? Um dia, eu sei, você vai entender os meus motivos. E talvez eu os entenda também. Você estava meio etílica, mas sei que foi honesta, pelo menos na hora em que disse aqueles troços. Não sei o nome disso que estamos sentindo um pelo outro e também não me importa. Pode ser o ápice ou o precipício, e tudo bem. E também não sei se teremos habilidade para cultivar isso por três semanas ou por três décadas inteiras. Só sei que agora estou interessado em saber como será o próximo passo.
Gabito Nunes.  (via morbidavel)
morbidavel
Amor. Há quantas formas de amar? Pode-se amar alguém como um irmão, mesmo que você não brigue com esta pessoa pelo controle da tevê ou para ver quem dorme com o ventilador. Pode-se amar alguém como um(a) namorado(a), aquele tipo de amor que a gente quer estar sempre perto da pessoa, haja o que houver (ou hajar, rs). Esse último amor que citei, nos consome, nos transforma, nos modela e nos torna dependente de outro alguém (no caso, a pessoa a quem dedicamos este sentimento). Existe também aquele amor tipo de pai e mãe, que insistimos em proteger um indivíduo de qualquer situação. E o amor platônico? Vixe! Este, tenho certeza que todos (ou a maioria) já sentiu, seja pela vizinha bonitona ou pelo(a) artista, seja cantor(a) ou ator(iz) e até escritor(a). Mas sabe qual o amor que mais admiro? É o amor de amigos. Neste tipo de amor está contido todos os outros que citei e é o mais abrangente, o mais sincero e vamos utilizar desta última palavra, sinceridade: é um dos mais necessários, ou quem sabe, o mais necessário.
Sou um ser feito de barro, apenas.    (via morbidavel)
eucaliptas
Ele me conta das meninas, eu conto dos caras. Eu acho engraçado quando ele fala “ah, enjoei, ela era meio sem assunto” e olha pra mim com saudade. Ele também ri quando eu digo “ah, ele não entendeu nada” e olho pra ele sabendo que ele também não entende, mas pelo menos não vai embora. Ou vai mas sempre volta.
Mas meu melhor amigo é meu único amor. O único que consegui. Porque ele sempre volta. E meu coração fica calmo.
O Amor, Tati Bernardi. (via eucaliptas)
morbidavel
Andava com pensamentos estranhos. Estava em uma fase da vida na qual qualquer coisa me abalava. Quaisquer vento me derrubava. Chorava por tudo, e por nada. O medo e a solidão se tornaram fiéis companheiros. Beirava os 15 e já era tão desacreditado tanto na vida, quanto no amor e nas pessoas. As idéias de suicídio eram frequentes. E quanto a Deus? Deus era uma incógnita. Tudo bem, Deus, digamos que, por alguma hipótese você esteja mesmo aí em cima olhando pra mim. Foi você que me colocou nesta? Você queria me testar? Perca de tempo. E que tal se agora eu o testasse? E que tal se eu
dissesse que você não está aí? Você já me expôs ao teste
supremo me dando esses “pais” e esta vida fodida. Você se quer deu chance de escolha. Minha sorte é que sou sagaz, e mais durão do que você. Se Você tivesse coragem de descer aqui, agora, eu riria na sua cara, se é que você tem cara. Quando eu era pequeno frequentava a igreja e o padre sempre nos dizia para não duvidarmos só aceitar os fatos de que você - o pseudo criador de tudo e de todos - estava aí. Mas duvidar do quê? Você é uma farsa - assim como essa idiotice das horas iguais - não passa de mais uma coisa da cabeça das pessoas, no fundo elas só queriam ter com quem chorar e afagar seus prantos. Acho que você já passou dos limites comigo, por isso, desafio-o a descer até aqui, agora, para que eu possa aplicar meu teste em Você! Esperei. Nada. Esperei por Deus. Esperei infinitamente… Esperar. Aquela situação me angustiava. Estava me matando aos poucos. Sentia uma sensação estranha, um ardor e um aperto no peito. Era como se minha alma tivesse sido suicidada e agora eu era só mais um mero conjunto de átomos. Até que comecei a ter uma dupla visão de tudo e enxergar tudo embaçado. Porra acho que peguei no sono.
Waltedeski.    (via morbidavel)